Sim. E não.

Nós nunca emitimos certificados no TEA e poucas foram as vezes que alguém mostrou interesse nisso. O que até nos faz sentido, pois se as pessoas que nos procuram estivessem à procura de um certificado provavelmente não viriam ao TEA e talvez procurassem uma solução mais “convencional”. Mas ainda assim, não deixamos de reflectir sobre isto sempre que alguém nos pergunta se emitimos certificado no final do… curso.

Custou-me escrever “curso porque o TEA não dá cursos, nós construímos percursos. E apesar destas duas palavras terem a mesma origem – eu ainda gosto de pensar no termo “curso” como sinónimo de “caminho” – sei que não é isso que as pessoas querem dizer neste contexto.

Um certificado de Inglês não é importante…

Quem procura o TEA valoriza fundamentalmente o processo e não o produto. Isto não significa que as pessoas que valorizam o produto face ao processo sejam piores pessoas por isso. Significa talvez que as nossas pessoas são melhores, mas apenas porque são… as nossas pessoas.

Digo isto sem qualquer desprimor ou auto-desvalorização: um certificado ou diploma emitido pelo The English Affair não serve para nada. E esta afirmação nada tem a ver com a qualidade do serviço que entregamos, que tentamos todos os dias fazer com que seja melhor em todos os aspectos com que nos comprometemos.

Mas o The English Affair não é uma escola nem uma entidade formadora (no sentido “clássico” do termo) e, ainda que fossemos, um certificado continuaria a não acrescentar grande valor. Não há nada de útil ou funcional em afirmarmos que “a pessoa A fez B horas connosco, da data C à data D, com o conteúdo programático E e a classificação F”.

No entanto, se vier falar connosco e tiver um nível intermédio ou avançado, somos os primeiros a sugerir-lhe que pense seriamente em certificar as suas competências linguísticas.

“Como assim, Yonara? Não disseste que um certificado não é importante?”

 

 

Uma certificação em Inglês é importante…

“Como assim, Yonara? Certificação e certificado não são a mesma coisa?” Não, não são.

A certificação é um processo e o certificado é apenas um dos seus produtos. Certificar as suas competências linguísticas é percorrer um caminho, que culmina sim com a emissão de um certificado, mas que é muito mais do que o documento em si. E é aqui que o TEA pode ajudar, na preparação para esse caminho. Também pode fazê-lo a solo, mas acredite que é bem mais difícil.

Uma certificação em Inglês deve ser conduzida por uma entidade devidamente acreditada e reconhecida, através de procedimentos e processos de examinação continuamente testados e validados. Estes procedimentos devem, tanto quanto possível, ser objectivos e generalizáveis, ou seja, passíveis de ser aplicados a diferentes populações em diferentes partes do globo.

De todas as entidades certificadoras, o Cambridge Assessment English (ex-Cambridge ESOL) é a mais conhecida, com centros examinadores por todo o mundo e uma enorme diversidade de exames que visam certificar diferentes tipos de competências em Inglês, gerais e específicas.

Conhece o seu nível real de Inglês?

As organizações têm cada vez menos paciência para ouvir a sua história sobre como aprendeu Inglês. Não é que a sua história não seja interessante, o tempo dos recrutadores é que é curto. Por isso, em vez de lhes dizer, mostre. Mais do que “como” aprendeu, eles querem saber “o que” é capaz de fazer com aquilo que aprendeu [é válido para outras competências, mas aqui especificamente para o Inglês, o tema em questão].

Um certificado como os do Cambridge atesta o seu nível de proficiência em Inglês, com uma margem de erro minimizada, ajudando a descrever o que realmente consegue fazer com o idioma. E é isto que as empresas e universidades de todo o mundo querem saber sobre si, de uma forma credível, antes de o(a) escolher como “the ideal candidate”.

 

Se está a ponderar um processo de certificação de Inglês, estamos a torcer por si. Mas mais do que torcer, podemos fazer o caminho juntos para que tudo corra bem, fazendo uma escolha acertada e uma preparação adequada. Fale connosco.

Deixar comentário