Teapot Club
Tudo o que precisas para a fluência num bule de chá gigante
Inscrições Abertas

Quanto tempo é preciso para aprender Inglês?

sanah-suvarna-161883-unsplash

Esta é uma das perguntas mais traiçoeiras que se pode fazer a um professor de Inglês, mas perguntas traiçoeiras podem dar origem a respostas ainda mais traiçoeiras.

É assim que, mais uma vez, nos encontramos no meio de uma chuva de números e estatísticas que estão longe de serem consensuais. Há quem fale em anos, há quem fale em meses, outros falam em semanas, dias ou… horas. Há quem indique o tempo como duração e outros como carga horária. E no meio disso tudo há ainda os que vendem milagres.

Antes de colocarmos um número padrão em algo tão subjectivo como é a aprendizagem, vale a pena reflectir sobre algumas questões de base que afectam a experiência de cada um e a sua.

O que é que considera como “aprender Inglês”?

Uma língua é um universo complexo composto por diferentes competências, mas frequentemente  limitamo-las às competências linguísticas. E apesar de ser muito mais do que isso, quando o tema é Inglês falamos geralmente de reading, writing, listening e speaking. Então o que é para nós aprender Inglês? é dominar todas essas competências? é dominar apenas algumas? é dominar alguma em particular?

Muitas pessoas consideram que irão ter aprendido quando conseguirem entender com facilidade o que ouvem ou leem, outras consideram que só terão aprendido quando forem capazes de escrever ou falar fluentemente. Uma grande parte dos aprendentes ambiciona “atingir a fluência”, mas até isso pode ser subjectivo: onde é que começa a fluência?

Experiência imersiva vs não imersiva

É fácil perceber – e se calhar é até um bocado óbvio – que aprender uma Língua num contexto onde apenas se utilize essa Língua seja mais rápido do que num contexto em que isso não aconteça. Se o contexto for real, em vez de simulado, melhor ainda.

Essa é a premissa na base das experiências de imersão.

Photo by Curtis MacNewton on Unsplash

 

Mas por mais tentador que seja fazermos disso uma regra, nem sempre é assim tão linear. Para além do contexto, existem muitos outros factores a influenciar a aprendizagem, nomeadamente questões ligadas à própria pessoa, como o nível inicial e a motivação.

Seria lógico pensar que um lusófono que emigre para o Reino Unido rapidamente passe a dominar a Língua Inglesa, uma vez que é “atirado aos leões” e tem que se “desenrascar”. Mas a verdade é que há muitos emigrantes que lá vivem há anos e não falam a Língua. É comum pessoas nessas situações manterem-se na sua zona de conforto, refugiando-se (muitas vezes inconscientemente) em empregos e grupos de amigos que utilizem a sua língua-mãe. E isso é uma falsa imersão, portanto o próprio tempo de aprendizagem fica enviesado.

Existe transferência da aprendizagem?

A aprendizagem segue um conjunto de fases mas na maior parte das experiências de ensino da Língua Inglesa ficamo-nos pelas 2 primeiras – aquisição e retenção. Aprender implica também e principalmente ser capaz de generalizar o que foi adquirido para o aplicar em novas situações.

Quer seja em contexto de imersão ou não, a transferência é fundamental para que se considere que houve aprendizagem, sendo um indicador mais fiável sobre a duração.

Toda a gente quer aprender rápido, mas até o rápido é relativo e nem sempre é sinónimo de bem. É importante conhecer e respeitar os nossos próprios ritmos de aprendizagem e evitar comparações constantes com os outros, que são necessariamente diferentes de nós.

Acima de tudo, lembre-se que os números prometidos (ex. Aprenda Inglês em 15 dias) são também – cada vez mais – uma questão de Marketing e reflectem a estratégia de comunicação escolhida pela marca. Ou seja, às vezes são apenas diferentes formas de dizer a mesma coisa.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.

Artigos Recentes

Betterment

bet·ter·ment (bĕt′ər-mənt, bɛtəmənt) noun.   1. a change for the better;

Consistency

con·sis·ten·cy (kən-sĭs′tən-sē) noun.   1. agreement, accordance, or harmony between parts; compatibility

Segue-nos no Facebook

Whispers TEA

Todos os meses uma palavra nova, numa mensagem nossa, como um sussurro ao ouvido.

Select your currency
EUR Euro

Subscreve a nossa newsletter

×