5 Erros que falantes de português cometem ao falar inglês

5 erros 2c

Toda língua tem as suas próprias regras linguísticas e gramaticais, estudantes de diferentes origens linguísticas geralmente cometem erros diferentes quando aprendem inglês. Normalmente, a razão para estes erros é que os estudantes estão a traduzir directamente da sua língua materna (sobretudo no início). Acho engraçado quando os nossos alunos cometem certos erros porque compreendo que eles estão a pensar em português. É necessário lembrar que algumas expressões ou construções do português não existem no inglês.

 

Identificámos 5 erros comuns que os falantes de português cometem enquanto aprendem ou falam inglês. Estamos aqui para partilhar alguns pontos e como temos trabalhado as questões nas aulas.

 

1. Pronúnciar de forma errada

É desafiante abandonar as regras de pronúncia do português. O português tem regras muito consistentes de pronúncia, geralmente, cada letra de uma palavra em português é pronunciada.

 

No inglês existem palavras com letras mudas como “doubt” (dúvida/duvidar) e “debt” (dívida) onde o “b” não é pronunciado ou “know” (saber) e “knife” (faca) onde o “k” não é pronunciado. Não existe propriamente uma regra única sobre a pronúncia das letras mudas, é uma questão do aluno ver uma tendência e ser atencioso.

 

Falantes do português em Angola e no Brasil por exemplo, tendem a acrescentar o som “i” ao final de muitas palavras. “Work” (trabalho/trabalhar) fica “worki”, “YouTube” fica “YouTubi”, e o mesmo acontece com “like” (gostar) e “have” (ter). A razão é que muitas palavras em português não terminam com sons consonantes, ou seja, terminam com vogais e assim sendo, a tendência é realçar a vogal (e vamos aqui lembrar que em português pronunciamos tudo).

 

2. Confundir Really com Very

Alguma vez já disseste “I like very much” ou “I like so much”? Eu com certeza já ouvi isso de vários alunos. Quando queremos dizer “eu gosto muito”, a expressão correcta é “I really like”. Dizer “I like very much cheese” está incorrecto. O correcto é “I really like cheese” (eu gosto muito de queijo). “I like so much cheese” até podes dizer, mas assim o significado fica “eu gosto de muito queijo”. I like so much cheese on my pizza (eu gosto de muito/tanto queijo na minha pizza). Para dizer “eu gosto muito/tanto de queijo” usando o “so much” fica assim: I like cheese so much.

 

3. Usar construções erradas

How old are you?(Quantos anos tens?) O verbo “be” significa ser ou estar. Neste caso podemos entender a pergunta “how old are you?” como “estás com quantos anos?”. Há quem diz “I have 30 years old” (eu tenho 30 anos), mas a resposta correcta aqui é sempre “I am 30 years old”, (eu estou com 30 anos). Deu para perceber? O mesmo acontece com “eu tenho fome”, não se diz “I have hunger” mas sim “I am hungry” uma expressão que tem o sentido de “estou com fome”.

Photo by NeONBRAND on Unsplash

4. Fazer perguntas de forma errada

Para fazer uma pergunta em português, é só mudar a entonação da voz. A ordem das palavras permanece e não existe o verbo auxiliar. “Ela é angolana” fica “ela é angolana?”.

 

Em inglês, não podes dizer “she is Angolan?”, vamos já ver porquê. Em inglês, existem as perguntas que são feitas com o verbo “be” (ser ou estar).

 

“You are Angolan” fica “are you Angolan?”
Conseguimos ver a conjugação do verbo be “you are”.
Na pergunta o verbo fica antes do pronome “are you”.
“She is Angolan” fica “is she Angolan?”.

 

E existem as perguntas que são feitas usando outros verbos e neste caso, para fazer uma pergunta devemos usar o verbo auxiliar “do” antes do pronome.
“You speak English” fica “do you speak English?”, “She speaks English” fica “does she speak English?”

 

5. Usar falsos cognatos (false friends)

Falsos cognatos são palavras ou expressões parecidas (tanto na pronúncia como na grafia) em duas línguas, mas que têm sentidos diferentes. Utilizar falsos cognatos é um erro cometido por principiantes e mesmo até por aqueles que já possuem um grau de domínio avançado. Vamos ver alguns exemplos:

 

“Fabric” é tecido e não fábrica. Fábrica é “factory”.
I like buying red fabric for my dresses.
Eu gosto de comprar tecidos vermelhos para os meus vestidos.

 

“Library” é biblioteca e não livraria. Livraria é “book store”.
I’m going to the library.
Eu vou à biblioteca.

 

“Parents” são pais e não parentes. Parentes são “relatives”.
My parents don’t sleep late.
Os meus pais não dormem tarde.

 

“Prejudice” é preconceito e não prejudicar. Prejudicar é “harm”.
Pride and prejudice
Orgulho e preconceito

 

“Support” é apoiar ou apoio e não suportar. Suportar é “withstand/stand”.
I always support a good cause.
Eu sempre apoio uma causa boa.
Eu não suporto tais cheiros!
I can’t stand such smells!

 

Contudo, é de lembrar que também existem as palavras cognatas. Palavras cognatas são palavras ou expressões parecidas (tanto na pronúncia como na grafia) em duas línguas que têm sentidos semelhantes. Por exemplo: animal, problem, comedy, music, geography, transparent, community (nem precisas de tradução!).

 

Estes e outros erros são muito frequentes nos alunos que chegam ao TEA. Nas nossas aulas aprendes a lidar com o erro de uma forma natural, percebendo o motivo desse erro e desenvolvendo mecanismos de auto-correcção, sem ansiedade!

 

Quais são os erros que já cometeste? Quais são as dificuldades que tens agora? Partilha connosco, gostaríamos muito de ouvir!

2 respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Recentes

Mistake

mis·take (mĭ-stāk′ or mɪˈsteɪk) noun.

Segue-nos no Facebook

Whispers TEA

Todos os meses uma palavra nova, numa mensagem nossa, como um sussurro ao ouvido.

Subscreve a nossa newsletter

×